sábado, 29 de janeiro de 2011

Amor por contrato

Título Original: The Joneses
Gênero: Drama
Duração: 96 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Derrick Borte
Ano: 2009
Amor Por Contrato 2009 - Trailer

Sábado à tarde. Dia meio cinzento. Pensei em assistir a um filme “tranquilo” só para mastigar com os olhos. Mas, nada disso...

“Amor por contrato” se mostrou um bom filme para se pensar sobre a influência do marketing, especialmente o voltado para o luxo, na sociedade moderna e atual.

O filme retrata a linha tênue e até mesmo limítrofe entre o Ser e o Ter. Faço aqui referência ao Borderline – Transtorno de Personalidade caracterizado por um padrão de instabilidade nos relacionamentos interpessoais, na autoimagem e nos afetos, bem como acentuada impulsividade. 

Aborda, também, o mundo real e o mundo construído pelo marketing. Até onde é ético e legal este trabalho, da forma retratada no filme? Vale a Vida?

E quando a vida real se mostra? Como fazer com as contas a pagar, as dificuldades de relacionamentos, os amigos, a família, a verdade? “Amor por contrato” nos escancara a liquidez das relações e das escolhas, o consumismo exagerado, a mentira.

A pergunta que me fica é: E você, o que quer? Ter ou Ser?

Leituras correlatas:
- Sociedade líquida – Zygmunt Bauman
- Amor líquido – Zygmunt Bauman
- O papalagui – Erich Scheurmann – Ed. Marco Zero






quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Biutiful


Filme: Biutiful (EUA – 2010)
Diretor: Alejandro González Iñárritu
Elenco: Javier Bardem, Blanca Portillo, Maricel Álvarez, Rubén Ochandiano
Duração: 147 min.
Gênero: Drama

 
Sem muita pretensão cheguei ao cinema e escolhi, pelo ator Javier Bardem e pelo diretor Alejandro González Iñárritu, o filme “Biutiful”. Num primeiro momento isto me bastava. Mas, claro que assisti a um ótimo filme com uma fantástica atuação de Bardem.

Uxbal (Javier Bardem) é pai zeloso de uma filha e um filho, divorciado de uma alcoolista e bipolar e está doente terminal. Trabalha como atravessador de comércio informal, de produtos ilegais, em Barcelona. Tem o dom de ouvir os mortos e faz, também, algum dinheiro com isto.

Não tem como não ficar impactada. Tragédias, realidades muito sofridas, exploração, simbolismos. A impressão é que a vida trabalha contra Uxbal. E, que ele tem uma percepção distorcida da sua realidade e vai de encontro à dignidade.

Situações-limite são uma constante no filme. A vida dos imigrantes ilegais. A vida de Uxbal. A vida de seus filhos. A degradação de sua ex-mulher. O submundo e seu irmão. A Morte.

Porém, assisti, em meio a tanta tragédia, a um filme sobre perdoar e amar. Que, além da narrativa abordar a questão social, aborda também a sobrenatural.

Curiosidade:
Coruja: Além de representar a sabedoria, a coruja simboliza o prenúncio da morte. É o pássaro dos mortos.

Prêmios:
Melhor Ator (Javier Bardem) no Festival de Cannes 2010.
Concorreu a Melhor filme estrangeiro no Globo de Ouro 2011.
Está concorrendo ao Oscar 2011 de melhor filme estrangeiro.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A garota da casa ao lado

Título Original: The Girl Next Door (2008 – EUA)
Roteiro: Daniel Farrands, Phillip Nutman, 
Jack Ketchum (baseado em seu romance)
Direção: Gregory Wilson
Gênero: Horror / Thriller
Duração: 91 minutos


 Trailer


Num primeiro momento pensei em não escrever sobre este filme por pensar ser um filme muito difícil de assistir. Mas, “A garota da casa ao lado” é um filme baseado em fatos reais, que causa muita angústia e raiva ao assisti-lo. Pois, participamos de uma mentalidade das relações de gênero distorcidas e até mesmo adoecidas.

David, um dos meninos da vizinhança, nos relata uma parte da sua história de vida. E, de forma angustiante nos mostra diversas formas de abuso. Abuso da mãe com os filhos, da tia com as sobrinhas, dos meninos com as meninas, da mulher com meninos e meninas. 

Para mim, ficou marcada uma sexualidade doentia. Um ressentimento quanto a ser mulher. A amargura de Ruth cria, meticulosamente, um jogo contra a juventude e a beleza da menina, no qual as regras são as violências física e psicológica. Lição do jogo: meninos façam o que quiserem, “garotas são burras, fáceis”. E, meninas não confessem seus desejos. “Você é uma mulher, Megan. Isto é difícil, nada fácil”.

Assim, nas palavras de Stephen King: “se você é muito sensível não deve ver esse filme. Se, por outro lado, você estiver preparado para dar uma visita ao inferno...”.

Outro filme sobre o mesmo tema:

“Um crime americano”
Trailer - Um Crime Americano  

Almodóvar é tema de mostra no Instituto Cervantes


Correioweb - 19 jan 2011.


As cores e a estética kitsch do diretor espanhol Pedro Almodóvar serão exibidas nas telonas do Instituto Cervantes a partir desta quarta-feira e seguem até domingo, dia 23. Os filmes foram selecionados pelo diretor do instituto, Pedro Eusébio, que optou por fitas do início da carreira de Almodóvar, produzidas de 1982 a 1997 para a mostra Transgressão e inovação: O começo de Pedro Almodóvar.

Serão cinco longas exibidos em espanhol com legenda na mesma língua “para ajudar”, comenta o curador Pedro Eusébio. “Escolhi os filmes mais experimentais, de acordo com as linhas temáticas do diretor, que tem olhar crítico sobre a Espanha, com humor”, diz. A exibição começa por películas lado B e termina com os que consagraram Almodóvar como diretor, como
Ata-me, com Antonio Banderas no elenco.

A mostra começa hoje com
Labirinto de Paixões, de 1982, que conta várias histórias de amor com final feliz ou não. O filme explica as temáticas escolhidas por Almodóvar, com uma personagem ninfomaníaca, um terrorista islâmico gay, a filha de uma funcionária de lavanderia e o filho de um imperador. O longa garantiu prêmios Fotograma de prata de melhor ator e atriz para Imanou Arias e Marta Fernández Muro.

Na próxima quinta-feira (20/1) é a vez de o conhecido e (anti) religioso
Maus Hábitos. Neste, Yolanda canta numa boate e tem o namorado morto por overdose. Com medo da polícia, ela se esconde em um convento que salva as mulheres das ruas e acaba conhecendo uma freira usuária de heroína, uma escritora que produz romances sob pseudônimo, outra que é estilista e está apaixonada pelo padre.

A complexidade dos personagens continua na sexta-feira com
Que fiz para merecer isso!, considerado o filme mais social do diretor, que mostra uma família diferente de Madri, com uma faxineira, seu marido e seu filho adolescente traficante e gay. Produzido em 1984, ele fala de nazismo, abuso sexual e trata com humor as tragédias da vida.

Ata-me
marca a estreia de Antonio Banderas como ator recorrente em filmes de Almodóvar e consagra o diretor. No sábado, ele aparece na telona no papel de Ricky, personagem recém saído de um hospital psiquiátrico que persegue atriz pornô com quem fez sexo uma vez para convencê-la a se casar com ele. Como ela reluta, ele a amarra. A mostra acaba com Carne trêmula, que também tem o erotismo muito presente.

De acordo com o diretor do Instituto Cervantes, o conjunto de filmes pode se confundir com a história da Espanha. “Eles mostram como o país mudou e ficou muito mais tolerante em pouco tempo. Não que os temas sejam bem aceitos, mas estão bem mais que antes”, explica o curador.


Os filmes serão exibidos em DVD, com entrada franca, no Instituto Cervantes, sempre às 20h. 

Fonte: http://divirta-se.correioweb.com.br

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Além da Vida

Título original: Hereafter
Lançamento: 2010 (EUA)
Direção: Clint Eastwook
Atores: Matt Damon, Cécile De France, Frankie McLaren, George McLaren.
Duração: 129 min
Gênero: Drama
Além da Vida - Trailer (legendado)


Clint Eastwood nos presenteia mais uma vez com um ótimo filme. Difícil não se emocionar. “Além da vida” retrata como as pessoas são tocadas pela morte ou pela experiência de quase morte de maneiras diferentes.

O filme nos mostra diversas formas de perdas, que nos fazem repensar a vida. A morte é uma delas. Um desastre. A perda de um ente querido. A experiência de quase morte. E, como pessoas mal-intencionadas utilizam-se do charlatanismo e da comercialização de um dom (ou maldição, segundo George) para se aproveitarem da dor do outro.

Independente de religião e da própria ciência, o filme nos faz pensar sobre a vida e a morte. Questões como: “O que nos espera além da vida?”, “O que você acha que acontece quando morremos?”  e "Podemos reencontrar com os que partiram?" mexem com nossa sensibilidade, aflorada pelo filme.

Cada um deve procurar a sua resposta, na sua dor. Eu fico por aqui com a minha.

 
Filmes nacionais que também nos fazem pensar sobre o tema:

Chico Xavier

Nosso Lar

domingo, 16 de janeiro de 2011

Globo de Ouro - 68a. Edição




 O discurso do rei e A rede social são os favoritos no Globo de Ouro 2011

O filme britânico "O discurso do rei", com 7 indicações, e "A rede social" e "O vencedor", com seis, são os grandes favoritos na 68a. edição dos Globo de Ouro que será entregue pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood em cerimônia de gala na noite do próximo domingo.

O filme protagonizado por Colin Firth concorre aos prêmios de melhor filme drama, diretor, ator, roteiro, trilha sonora e atriz coadjuvante.

Além de "O discurso do rei", "A rede social" e "O vencedor", concorrem a melhor filme dramático "Cisne negro", protagonizado por Natalie Portman, e "A origem", com Leonardo DiCaprio.

"A rede social", que narra a criação do Facebook, era um dos fortes favoritos desde que obteve o reconhecimento dos círculos de críticos de cinema de Los Angeles e Nova York e deve ser um dos grandes vencedores do Oscar, em fevereiro próximo.
Saiba mais...

O filme foi indicado nesta terça a melhor drama, diretor (David Fincher), ator (Jesse Eisenberg), roteiro original (Aaron Sorkin), ator coadjuvante e trilha sonora.

Na categoria melhor filme musical ou comédia foram indicados "Burlesque", interpretado por Cher e Christina Aguilera, "Alice no País das Maravilhas", "The Kids Are All Right", "Red-Aposentados e perigosos" o thriller romântico "The Tourist".

Este último deu indicações a Angelina Jolie e Johnny Depp, indicado também na mesma categoria de melhor ator em comédia ou musical por "Alice no País das Maravilhas".

Para melhor diretor, foram indicados Darren Aronofsky ("Cisne Negro"), David Fincher ("A Rede Social"), Tom Hooper ("O Discurso do Rei"), Christopher Nolan ("A Origem") e David O. Russell ("The Fighter").

O filme mexicano "Biutiful", de Alejandro González Iñárritu, protagonizado por Javier Bardem, concorre ao prêmio de melhor filme estrangeiro, junto a "Amore" (Itália), "Le concert" (França), "Kray" (Rússia) e "HŠvnen" (Dinamarca).

Já na categoria televisão, "Boardwalk Empire", "Dexter", "The Good Wife", "Mad Men" e "The Walking Dead" concorrem como melhor série dramática.
Na categoria comédia ou musical, as indicadas são "The Big Bang Theory", "The Big C", "Glee", "Modern Family", "Nurse Jackie" e "30 Rock".

Alec Baldwin, por "30 Rock", Steve Carell, por "The Office", Thomas Jane, por "Hung", Matthew Morrison, por "Glee", e Jim Parsons, por "The Big Bang Theory", são os atores indicados por comédia. Entre as atrizes, foram indicadas Toni Collette, por "United States of Tara", Edie Falco, por "Nurse Jackie", Tina Fey, por "30 Rock", Laura Linney, por "The Big C", e Lea Michele, por "Glee"

O indicados para melhor ator dramático são Steve Buscemi ("Boardwalk Empire"), Bryan Cranston ("Breaking Bad"), Michael C. Hall ("Dexter"), Jon Hamm ("Mad Men") e Hugh Laurie ("House")

Para melhor atriz de série dramática foram indicadas Julianna Margulies ("The Good Wife"), Elisabeth Moss ("Mad Men"), Piper Perabo ("Covert Affairs"), Katey Sagal ("Sons of Anarchy") e Kyra Sedgwick ("The Closer")

Relação dos indicados:

CINEMA

======


Melhor Filme - Drama


Cisne Negro


The Fighter


A Origem


O Discurso do Rei


A Rede Social


Melhor Filme - Musical ou Comédia


Alice no País dos Maravilhas


Burlesque


Minhas Mães e Meu Pai


Red - Aposentados e Perigosos


The Tourist


Melhor Ator - Drama


Jesse Eisenberg - A Rede Social


Colin Firth - O Discurso do Rei


James Franco - 127 Hours


Ryan Gosling - Blue Valentine


Mark Wahlberg - The Fighter


Melhor Atriz - Drama


Halle Berry - Frankie and Alice


Nicole Kidman - Rabbit Hole


Jennifer Lawrence - Winter's Bone


Natalie Portman - Cisne Negro


Michelle Williams - Blue Valentine


Melhor Ator - Musical ou Comédia


Johnny Depp - The Tourist


Johnny Depp - Alice no País das Maravilhas


Paul Giamatti - Minha Versão para o Amor


Jake Gyllenhaal - Amor e Outras Drogas


Kevin Spacey for Cassino Jack


Melhor Atriz - Musical ou Comédia


Annette Bening - Minhas Mãe e Meu Pai


Anne Hathaway - Amor e Outras Drogas


Angelina Jolie - The Tourist


Julianne Moore - Minhas Mães e Meu Pai


Emma Stone - A Mentira


Melhor Ator Coadjuvante


Christian Bale - The Fighter


Michael Douglas - Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme


Andrew Garfield - A Rede Social


Jeremy Renner - Atração Perigosa


Geoffrey Rush - O Discurso do Rei


Melhor Atriz Coadjuvante


Amy Adams - The Fighter


Helena Bonham Carter - O Discurso do Rei


Mila Kunis - Cisne Negro


Melissa Leo - The Fighter


Jacki Weaver - Animal Kingdom


Melhor Diretor


Darren Aronofsky - Cisne Negro


David Fincher - A Rede Social


Tom Hooper - O Discurso do Rei


Christopher Nolan - A Origem


David O. Russell - The Fighter


Melhor Roteiro


127 Hours - Danny Boyle, Simon Beaufoy


A Origem - Christopher Nolan


Minhas Mães e Meu Pai - Stuart Blumberg, Lisa Cholodenko


O Discurso do Rei - David Seidler


A Rede Social - Aaron Sorkin


Melhor Canção Original


Burlesque - "Bound to You"


Burlesque - "You Haven't Seen The Last of Me"


Country Strong - "Coming Home"


Crônicas de Nárnia - A Viagem do Peregrino da Alvorada - "There's A Place For Us"


Enrolados - "I See the Light"


Melhor Trilha Sonora


127 Hours - A.R. Rahman


Alice no País das Maravilhas - Danny Elfman


A Origem - Hans Zimmer


O Discurso do Rei - Alexander Desplat


A Rede Social - Trent Reznor, Atticus Ross


Melhor Filme de Animação


Meu Malvado Favorito


Como Treinar seu Dragão


The Illusionnist


Enrolados


Toy Story 3


Melhor Filme em Língua Estrangeira


Biutiful (México)


Amore (Itália)


Le concert (França)


Kray (Rússia)


Hævnen (Dinamarca)


TELEVISÃO

=========


Melhor Série - Drama


"Boardwalk Empire"


"Dexter"


"The Good Wife"


"Mad Men"


"The Walking Dead"


Melhor Série - Musical ou Comédia


"The Big Bang Theory"


"The Big C"


"Glee"


"Modern Family"


"Nurse Jackie"


"30 Rock"


Melhor Minissérie ou Filme feito para TV


"Carlos"


"The Pacific"


"The Pillars of the Earth"


"Temple Grandin"


"You Don't Know Jack


Melhor Ator de Minissérie ou Filme feito para TV


Idris Elba - "Luther"


Ian McShane - "The Pillar of the Earth"


Al Pacino - "You Don't Know Jack"


Dennis Quaid - "The Special Relationship"


Édgar Ramírez - "Carlos"


Melhor Atriz de Minissérie ou Filme feito para TV


Hayley Atwell - "The Pillars of the Earth"


Claire Danes - "Temple Grandin"


Judi Dench - "Cranford"


Romola Garai - "Emma"


Jennifer Love Hewitt - "The Client List"


Melhor Ator de Série - Musical ou Comédia


Alec Baldwin - "30 Rock"


Steve Carell - "The Office"


Thomas Jane - "Hung"


Matthew Morrison - "Glee"


Jim Parsons - "The Big Bang Theory"


Melhor Atriz de Série - Musical ou Comédia


Toni Collette - "United States of Tara"


Edie Falco - "Nurse Jackie"


Tina Fey - "30 Rock"


Laura Linney - "The Big C"


Lea Michele - "Glee"


Melhor Ator de Série - Drama


Steve Buscemi - "Boardwalk Empire"


Bryan Cranston - "Breaking Bad"


Michael C. Hall - "Dexter"


Jon Hamm - "Mad Men"


Hugh Laurie - "House"


Melhor Atriz de Série - Drama


Julianna Margulies - "The Good Wife"


Elisabeth Moss - "Mad Men"


Piper Perabo - "Covert Affairs"


Katey Sagal - "Sons of Anarchy"


Kyra Sedgwick - "The Closer"


Melhor Ator Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme feito para TV


Scott Caan - "Hawaii Five-0"


Chris Colfer - "Glee"


Chris Noth - "The Good Wife"


Eric Stonestreet - "Modern Family"


David Strathairn - Temple Grandin


Melhor Atriz Coadjuvante em Série, Minissérie ou Filme feito para TV


Hope Davis - The Special Relationship


Jane Lynch - "Glee"


Kelly Macdonald - "Boardwalk Empire"


Julia Stiles - "Dexter"

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/

sábado, 15 de janeiro de 2011

Comer Rezar Amar

Título original: Eat Pray Love
Lançamento: 2010 (EUA)
Direção:Ryan Murphy
Atores: Julia Roberts, Javier Bardem
Duração: 133 min
Gênero: Drama
Comer Rezar Amar Trailer Legendado 

Better Days (Comer, Rezar, Amar) - Eddie Vedder


Sou uma das pessoas que se encantaram com o filme Comer, Rezar, Amar e com o livro autobiográfico homônimo. Tanto que agora estou me deliciando com o livro seguinte de Elizabeth Gilbert – Comprometida, mas esse é outro assunto.

O filme retrata a história de uma mulher que para se (re)encontrar parte numa viagem pelo mundo geográfico, espiritual e emocional. Um ano de pura descoberta e entrega. Sem urgência. A inevitabilidade do crescimento na solidão ou da solidão do crescimento.

Difícil não se identificar. Vemos situações que nos levam a refletir, situações parecidas com nossa própria história de vida.

Uma verdadeira faxina mental em três tempos: Itália: sorvete, vinho e pizza podem nos acrescentar muito na vida, além das calorias; Índia: A religião como busca por respostas; Bali: Os amores como resposta.

Para mim, um ponto importante do filme foi ela terminar um relacionamento sem o outro. Dar um ponto final sozinha. Precisamos modificar os padrões da nossa vida que nos fazem mal, sozinhas.

Importante ressaltar que não é um filme só para as mulheres, também são revistos os papéis masculinos durante o filme. O ponto tanto de partida quanto de chegada do filme é a complexidade dos relacionamentos. Tanto para os homens quanto para as mulheres.

Assim, como numa confidência íntima, você participa da vida de Liz. Não ficando imune à sua própria.

“O equilíbrio perfeito está aqui, no encontro entre o Céu e a Terra” - Ketut